IV Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão - Os impactos da Psicologia na Sociedade Brasileira: A Política da Ciência e da Profissão

COMPARTILHE:

Nenhum comentário 11/12/2014 às 16h51 - Atualizado em 11/12/2014 às 16h51

Resultados positivos do IV CBP são destacados em entrevista com Ângela Hiluey da ABRAP

Entrevista CBP: Ângela Hiluey destaca resultados positivos do IV CBP

A integrante da Comissão Científica do IV Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão (IV CBP), a psicóloga Ângela Hiluey, faz, nesta entrevista, uma breve avaliação do congresso, que ocorreu entre 19 e 23 de novembro, em São Paulo. Destaca atividades inovadoras, desafios para a próxima edição, além de ressaltar – como representante da Associação Brasileira de Psicoterapia (Abrap) – a união que o evento propiciou às entidades do Fórum de Entidades Nacionais da Psicologia Brasileira (Fenpb), organizador do evento.

Confira a seguir.

Ascom: Como integrante da coordenação do Congresso, qual é a sua avaliação do IV CBP?

AH: Minha avaliação é significativamente positiva. Esperávamos que fosse uma oportunidade onde os participantes pudessem ter suas necessidades de encontro e intercâmbio atendidas. Isso pôde acontecer graças a um trabalho não só dos organizadores, como da equipe de jornalistas, que forneceu informações sobre o que seria apresentado no IV CBP não apenas oferecendo títulos, mas sim o que abordavam os palestrantes em suas exposições.

Assim: Quais as atividades que, em sua visão, fizeram mais sucesso nesta edição e que foram inovadoras de alguma forma?

AH: Os Diálogos (Im)pertinentes fizeram muito sucesso. Foi uma modalidade inovadora que favoreceu o questionamento e alimentou o anseio de enfrentar os desafios descortinados. As mesas que trataram dos processos de trabalho também marcaram presença e permitirão que se escreva sobre os mesmos a partir dos debates que puderam acontecer.

Ascom: Como avalia a recepção dos participantes em relação ao IV CBP?

AH: Seguimos recebendo avaliações e comentários altamente positivos dos participantes.

Ascom: Para você, quais são os desafios para a próxima edição?

AH: Que possamos levar ao próximo congresso as conquistas advindas do ânimo despertado pelo IV CBP para enfrentar os desafios. E que desde os primeiros passos da organização já procuremos dar informações para os participantes irem se familiarizando com as propostas do Congresso. Esse foi um grande ganho do IV CBP: um congresso com um número elevado de trabalhos, onde os participantes terminavam um dia de congresso com um alinhamento entre as apresentações. Ou seja, as ideias não estavam todas soltas, mas sim estávamos adquirindo conhecimentos.

Ascom: Em relação ao FENPB, acredita que houve um fortalecimento da união das entidades neste congresso? De que forma?

AH: Quando temos uma tarefa em comum, precisamos nos encontrar com maior frequência. Sendo assim, essa maior frequência de contato, por si só, é bem positiva. Esse contato próximo permite inclusive que possamos visualizar a importância de cada um dos integrantes na produção final. Alguns de nós, por estarmos na comissão, ficamos muito próximos. Por outro lado, nossa secretária executiva Ângela Soligo procurou favorecer o contato propondo algumas reuniões extras e necessárias, mas que também permitiram aos que não estavam tendo uma oportunidade de contato mais assíduo experimentarem aquele clima de busca de alternativas que melhor atendessem às necessidades dos participantes. Essa era nossa meta todo o tempo: que os participantes pudessem sair com ganhos. Um clima dessa natureza só pode fortalecer relacionamentos, pois é estimulante.

Compartilhe:

Comentários

Deixe uma resposta

  • Promoção

V CONGRESSO BRASILEIRO PSICOLOGIA: CIÊNCIA E PROFISSÃO

14 a 18 de novembro de 2018

São Paulo - SP